Gravidez Molar: o que é, sintomas e tratamentos

Quase todo mundo sabe como ocorre a gravidez: o óvulo é fertilizado por um espermatozóide e depois se fixa na parede interna do útero, onde irá começar a dividir as células até formar um novo ser humano. Entretanto, em algumas situações, há algum erro que acontece nessa divisão celular e prejudica a gestação, como é o caso da gravidez molar. Hoje iremos esclarecer algumas dúvidas sobre esse assunto pouco comentado.

Gravidez Molar

Saiba mais sobre a Gravidez Molar, e quais seus sintomas e tratamentos.

O que é Gravidez Molar?

É chamada gravidez molar ou mola hidatiforme quando ocorre uma complicação no processo da fertilização, ela faz parte de um grupo de complicações conhecidos como tumores trofoblásticos gestacionais. Enquanto na gravidez normal se juntam 23 cromossomos do óvulo e 23 do espermatozóide para formar os 46 cromossomos que o ser humano tem, na gravidez molar parcial os cromossomos do espermatozóide são duplicados, totalizando 69 cromossomos. Na gravidez molar completa, o óvulo não contém nenhum cromossomo e os do espermatozóide também se duplicam. É a uma condição rara e são gerados tecido placentário e embrião, mas ele não tem chances de sobrevivência. Essas duas estruturas, juntas, acabam por formar uma massa de cistos com aparência de cachos de uvas, que poderá ser visualizada através de um ultrassom.
Costuma afetar uma em cada mil gestações.

Sintomas da Gravidez Molar

Os sintomas de uma gravidez molar, no começo, são iguais aos de uma gravidez normal. Entretanto, com o tempo, um exame poderá detectar altas taxas de hCG e você poderá sentir náuseas muito fortes com vômito, acompanhadas de aumento uterino anormal, dores e inchaço abdominal e sangramento. Outros sintomas podem ser perda de peso inexplicável, hipertensão, taquicardia e intolerância ao calor.

Tratamento da Gravidez Molar

Embora o corpo costume expulsar o tecido embrionário através deu um aborto espontâneo na oitava semana, se ele não ocorrer, precisa ser provocado medicamente. Assim, é realizada uma curetagem uterina que visa remover todo tecido embrionário após o aborto espontâneo, ou ainda um abordo provocado e uma curetagem. Mesmo assim, nos próximos meses o médico realizará monitoramento das taxas de hCG para conferir se não há nenhum crescimento anormal dentro do útero.

Complicações na Gravidez Molar

A gravidez molar completa costuma ser mais invasiva e pode se transformar em uma massa cancerígena e chegar a migrar, através da circulação sanguínea, para outros órgãos. Mesmo após a curetagem, a mola invasiva poderá se desenvolver na camada muscular do útero e se tornar uma doença trofoblástica gestacional persistente.

Nesse caso, o tratamento requer quimioterapia e monitoramento dos níveis de hCG. Mesmo assim, grande parte dos tratamentos costuma ser favorável.

Engravidando novamente

Quando não requer quimioterapia, é preciso esperar até seis meses após a amostragem no exame de hCG se mostrar zero. Isso é feito através de exames de sangue todo mês, que servirão para seu ginecologista acompanhar o tratamento. Se você fez uso da quimioterapia, deverá esperar pelo menos um ano. O aparecimento da gravidez molar não prejudicará sua fertilidade, embora seja um acontecimento terrível ver sua gestação terminar dessa maneira, com o tratamento adequado você não terá nenhum tipo de sequela e poderá ter filhos novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *