Curiosidades

Prolactina
Prolactina

Abreviada como PRL, a prolactina é um hormônio secretado pela hipótese, uma glândula no cérebro, e se encontra em pequenas quantidades no corpo de homens e mulheres.

Pra que serve a Prolactina?

Conhecida como “hormônio do leite”, entre as principais funções da prolactina estão desenvolver o crescimento das mamas e incitar a produção de leite. Além disso, fora do período gestacional, a prolactina se relaciona com o controle dos outros hormônios femininos, estando envolvida na regulação da menstruação e da ovulação.

Prolactina
Prolactina: O hormônio do leite. Responsável pela produção do leite materno durante e após a gravidez.

Quando o corpo secreta?

Aparece em maior quantidade durante e após a gravidez, de modo que se produza leite materno para que possa se alimentar o bebê. Sua presença no plasma sanguíneo é utilizada na prática médica para detectar galactorréia (produção de leite fora do período pós-parto ou de lactação, podendo ocorrer em indivíduos do sexo masculino), detectar tumores na hipófise secretores de prolactina, avaliação de infertilidade feminina, amenorréia (a ausência de menstruação), impotência masculina, ginecomastia (crescimento das mamas masculinas) e hipogonadismo masculino (o mau funcionamento das gônadas sexuais, no caso, os testículos).

Níveis elevados

A presença de altos níveis de prolactina no corpo da mulher pode produzir leite materno fora de hora e fazer com que elas deixem de ovular, dificultando o processo de gravidez. O médico deve ser informado a qualquer sinal de líquido saindo dos seios. Quando essa condição aparece nos homens, há chance de impotência com diminuição dos espermatozóides e aumento das mamas.

As causas desse aumento do hormônio podem ser as mais diversas, porém os mais comuns são stress e uso de medicamentos que atuam sobre a hipófise, como antidepressivos. Alguns tumores nessa glândula podem fazer com que haja uma elevação da prolactina. Falha renal, hipotireiodismo e adenomas pituitárias também são causas comuns de níveis elevados de prolactina.

Níveis diminuídos

Embora raramente documentados, níveis diminuídos de prolactina podem ter efeito inverso e fazer com que a mãe não produza leite suficiente para amamentar o bebê recém nascido, tendo que apelar para fórmulas (quando receitadas pelo médico) ou doação de leite materno.

Exames

Para se diagnosticar algum distúrbio nos níveis de prolactina, é necessário primeiramente fazer um exame de sangue. Quando há outros sintomas que possam indicar a presença de um tumor na hipófise, como a presença de dor de cabeça e distúrbios visuais, é necessário realizar uma ressonância magnética ou tomografia para que se detecte a presença do tumor e se avalie como tratá-lo. Quando realmente existe um tumor e ele precisa ser resolvido, é feita uma cirurgia através de uma incisão no nariz e seio esfenoidal.

Caso você note alguns dos sintomas descritos nesse texto, deve procurar o médico ginecologista (no caso das mulheres) ou endocrinologista, para que ele avalie sua saúde e te examine adequadamente, fazendo o pedido dos exames necessários e depois, indicando o tratamento correto. Caso seja detectado que sua prolactina esteja aumentada por conta de algum remédio com o qual você faz tratamento, o ideal é procurar o especialista que te receitou para que possa haver mudança de medicamentos. Isso é essencial no caso de anticoncepcionais, antidepressivos, etc.

Estradiol
Estradiol o hormônio da fertilidade

O que é estradiol, e o que faz?

Mesmo pouco conhecido, Estradiol é um hormônio sexual presente tanto no corpo feminino quanto no masculino. De início acreditava-se que era sintetizado apenas por mulheres, mas depois se descobriu que ele é responsável pela manutenção dos tecidos, garantindo a elasticidade e viço da pele e dos vasos sanguíneos. Além disso, a reconstituição óssea também está entre suas funções. No corpo da mulher, ele tem importantes funções a ver com a possibilidade de engravidar.

Estradiol
Estradiol o hormônio da fertilidade

A ovulação

Para entender como o estradiol funciona, vamos recapitular como o processo da ovulação funciona.

A ovulação é uma das fases do ciclo menstrual da mulher, mais especificamente quando o óvulo é liberado para as trompas e aguarda ser fecundado para poder gerar uma gravidez. Antes do óvulo ser liberado, ele na verdade é um folículo ovariano, que através da ação de hormônios como o estradiol, LH e FSH, acaba por se desenvolver no ovário. Ao mesmo tempo, as paredes do endométrio engrossam para receber um possível embrião, também com a ajuda do Estradiol e da Progesterona. Quando o óvulo não é fecundado, as paredes do endométrio desabam e é assim que é formada a menstruação.

Importância do estradiol

Quando a mulher está em período de ovulação ou grávida, os níveis de estradiol se elevam. Já é sabido pela ciência que, se uma mulher quer engravidar, deve ter os níveis corretos de estradiol em seu corpo. Ele também é importante para que as relações sexuais ocorram, já que ele ajuda a produzir a lubrificação e o muco vaginais.

Níveis elevados de estradiol

Altos níveis de estradiol podem favorecer o câncer endometrial em mulheres, além de aumentar as chances de acidentes vasculares cerebrais e câncer de mama, tanto em homens quanto mulheres. Os principais sintomas são dormência de um lado do corpo, suor excessivo ou calor em apenas um dos seis, bem como dores de apenas um lado do estômago.Tumores ovarianos, tumores feminilizantes adrenais, doenças hepáticas, puberdade precoce, ginecomastia e gravidez masculina são situações em que a taxa de esdradiol se mostra alta.

Níveis diminuídos de estradiol

As causas mais comuns de baixas do estradiol são insuficiência ovariana, a menopausa, o uso de contraceptivos orais, gravidez ectópica (gravidez que ocorre fora do útero) e síndrome de Turner (uma condição genética onde o par de cromossomos X é anormal, podendo um deles ser ausente ou parcialmente ausente).

Como tratar?

No caso de estradiol elevado, é comum que ele seja tratado com substâncias que inibem esse hormônio. Já quando ele está presente em baixas quantidades, é usada uma reposição hormonal com estradiol sintético. É imprescindível consultar o ginecologista ou o endocrinologista sobre seus níveis de estradiol antes de fazer qualquer tipo de tratamento. Só o médico especialista poderá te diagnosticar corretamente e receitar a melhor terapia para tratar desequilíbrios hormonais.

Como as situações que a alta ou baixa de estradiol são muito sérias, não espere que a condição avance para se tratar corretamente. Procure um médico, faça um exame de sangue e siga suas recomendações.

Contrações de Braxton-Hicks
Contrações de Braxton-Hicks

Para gestantes de primeira viagem as falsas contrações, ou contrações de Braxton-Hicks, podem trazer muita frustração. Mesmo que elas sejam diferentes de contrações que antecipam o parto de verdade, fica difícil analisar esse aspecto quando nunca se teve uma contração antes. Para se informar mais sobre as contrações de treinamento e como diminuir o desconforto que elas podem trazer, leia este artigo.

Contrações de Braxton-Hicks
Contrações de Braxton-Hicks

Contrações de Braxton-Hicks:

A partir do meio do segundo trimestre e até possivelmente antes, você notará que os músculos ao redor do útero endurecem e ficam assim por cerca de um minuto. Essas são as contrações de Braxton-Hicks, observadas primeiramente por John Braxton Hicks em 1782, que dão as caras em quase todas as gestações e tendem a ser mais incômodas do que dolorosas.

Elas ocorrem esporadicamente, seguem um ritmo irregular e são indolores, embora com a aproximação do parto elas possam começar a serem mais desconfortáveis. Durante sua ocorrência, você notará endurecimento da barriga e poderá ter uma sensação de aperto ou mesmo pressão localizada na pelve.

Estudos na área obstetrícia apontam que essas contrações falsas ocorrem para, ao mesmo tempo, preparar o útero para o trabalho de parto real, aumentar a corrente sanguínea para a placenta e ir afinando o colo do útero até a hora do nascimento do bebê.

Quando acontece

De acordo com as observações do Dr. John Braxton Hicks, na verdade o útero começa a se contrair já no primeiro trimestre da gestação, embora isso só possa ser sentido através da pele no segundo trimestre e aumentem a frequência de aparecimento no último trimestre. Se mesmo se tratando de falsas contrações elas vierem acompanhadas de dores, pode ser sinal de que há um cálculo renal ou infecção urinária.

Para a vinda das contrações de Braxton-Hicks, o cérebro manda mensagens para o útero ir se preparando para a vinda do parto. Essas mensagens químicas ajudam o corpo a trabalhar os músculos pélvicos, que serão usados para empurrar o bebê.

Suas causas

  • Movimentação ou posição do bebê;
  • Bexiga cheia;
  • Manutenção da mesma posição por muito tempo;
  • Desidratação;
  • Esforço físico.

Contrações Reais x Contrações de Braxton-Hicks

Quando o obstetra diz que “você vai saber” quando for realmente o trabalho de parto, pode até parecer um pouco frustrante. Por isso mesmo, é preciso reconhecer as diferenças entre os dois tipos de contração para não se deixar apavorar. As contrações de Braxton-Hicks não são muito longas e quando chegam a pegar algum ritmo, este não dura muito tempo. Já as contrações reais vêm acompanhadas de dor pélvica, podendo atingir as costas e as coxas.

Elas tem uma periodicidade mais clara, geralmente ocorrendo de cinco em cinco minutos e aumentando de intensidade a cada nova contração de acordo com a progressão do trabalho de parto. Além disso, há perda de líquido e/ou sangue.

Confira dicas exclusiva para preparar a mala de maternidade, e saiba o que levar para a maternidade.

Lidando com o desconforto

Quando o incômodo é grande, é necessário tomar algumas providências para diminui-lo. Entre elas, estão:

  • Esvazie a bexiga;
  • Mude de atividade (levantando e dando uma caminhada ou sentando);
  • Beba água;
  • Tome um banho de água morna;

Emio e pai de Xavier, ele tem seus 3o anos e é pai de um jovem de apenas 1 ano e meio de idade, Emio trabalha normalmente do final da tarde para a noite, e com isso sobra tempo para ele dedicar o dia ao seu filho Xavier. A mãe de Xavier trabalha de dia e o deixa sozinho com seu pai. O pai em vez de conta a sua esposa o que apronta durante um longo dia em casa com seu filho, resolveu gravar e mostrar tudo pessoalmente em video. O que Emio não espera era tamanho sucesso que o vídeo iria fazer no Youtube e que todo mundo iria ver que paizão Emio é. Confira abaixo o vídeo:

Compartilhe no Facebook“Sábio é o pai que conhece o seu próprio filho.” (William Shakespeare)

Compartilhe no Facebook